Compartilhe este post

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no twitter

A inteligência emocional tem sido uma característica cada vez mais necessária. O mundo digital nos expõe a diversas informações e estímulos constantes que acabam afetando o nosso discernimento e capacidade de compreensão da realidade.

A presença digital dos indivíduos começa a fazer parte da sua identidade e personalidade, e isso muitas vezes faz com que esqueçamos dos limites entre o mundo físico e o virtual.

Será que as pessoas se comportam na internet do mesmo modo que na vida real?

A inteligência emocional no mundo digital é o que nos traz de ‘volta para a realidade’ e nos recorda que essa ferramenta deve ser usada com sabedoria.

Isso porque o ambiente virtual traz inúmeras vantagens, mas também pode ser tóxico, prejudicando a nossa saúde mental.

No post de hoje nós vamos falar sobre o que é a inteligência emocional e por qual motivo ela se faz tão importante no mundo digital. Confira!

O que é Inteligência emocional

Inteligência emocional é um conceito em psicologia que descreve a capacidade de reconhecer e avaliar os sentimentos próprios e os dos outros, além da capacidade de processá-los.

Essa habilidade aplicada no mundo digital nos permite desenvolver um maior controle sobre as nossas emoções e a fazer julgamentos mais racionais.

Pilares da inteligência emocional

A inteligência emocional possui 5 pilares. O primeiro é a autorresponsabilidade, que é a capacidade de assumir as responsabilidades pelos seus atos, independentemente se bons ou ruins.

O segundo é a percepção das emoções, que está relacionado com a habilidade de reconhecer as suas emoções e as dos que estão ao seu redor. Isso permite que você tenha atitudes empáticas frente a acontecimentos de terceiros.

O próximo pilar é o gerenciamento das emoções, que conforme veremos adiante também possui os seus próprios pilares de sustentação.

Depois temos o foco, que é a habilidade de conseguir fazer com que a sua atenção permaneça voltada para o lado positivo das situações.

O último é a ação, que está relacionado com o modo como nos portamos e as atitudes que tomamos por causa dos nossos sentimentos.

Autoconhecimento para o gerenciamento das emoções

O autoconhecimento auxilia a gerenciar as nossas emoções. Através dele é possível interpretar os nossos sentimentos e controlá-los da melhor maneira possível, de acordo com a situação enfrentada.

Portanto, para se compreender melhor e desenvolver a inteligência emocional, procure observar com frequência as suas emoções. Identifique de qual forma esses sentimentos afetam a sua personalidade e atitudes.

Uma prática que auxilia nesse processo de autoconhecimento é a meditação. Por meio dela é possível focar mais em si próprio e refletir sobre o seu estado emocional.

Pilares do gerenciamento das emoções (Daniel Goleman)

Daniel Goleman é considerado o pai da inteligência emocional. E de acordo com ele, a inteligência emocional, ao contrário do QI, pode ser alterada e aprimorada ao longo da vida.

O psicólogo enfatiza também as habilidades de inteligência emocional que nos permitem controlar as emoções. Elas incluem: autossuficiência; autocontrole; motivação; empatia (lidar com as emoções de outras pessoas) e habilidades sociais (relacionamentos).

Conheça a seguir os pilares do gerenciamento das emoções proposto por Goleman:

1# Conhecer suas emoções

É preciso conhecer a si próprio para ter certeza do que estamos sentindo. Por exemplo, as vezes podemos estar ansiosos, mas não saber ao certo o motivo desse sentimento.

A aflição pode até mesmo significar algo mais complexo, como medo de errar ou de não ser aceito ou bem sucedido em algum projeto.

Ao exercitar o autoconhecimento é possível identificar os motivos pelos quais estamos tendo determinado sentimento. Dessa forma, o autoconhecimento é a primeira etapa para conseguir controlar o seu emocional. Afinal, não é possível controlar algo que não se conhece.

2# Controle das emoções

Após ter entendido os seus sentimentos, chegou a hora de aprender a controlá-los. Avalie como as suas emoções afetam as suas atitudes.

Por vezes essas modificações no nosso emocional podem significar algo bom ou ruim e você tem que saber gerenciar isso para conseguir tirar o melhor proveito.

O medo, por exemplo, nem sempre é um sentimento ruim. Se não fosse ele, muitas vezes faríamos coisas que colocariam a nossa saúde e vida em risco.

Entretanto, a excitação diversas vezes nos faz agir impulsivamente, fazendo com que nos arrependamos de certas atitudes.

3# Automotivação

Você deve ter ouvido falar que a motivação muitas vezes não está ligada a fatores externos, mas sim internos!

E por isso, a automotivação é um dos pilares da do gerenciamento das emoções.

É fundamental entender e buscar metas e objetivos pessoais a serem alcançados e isso significa que além de buscar o autoconhecimento é necessário a disciplina e em muitos momentos, mudanças de hábitos e comportamentos.

4# Empatia

A empatia significa se colocar no lugar do outro e entender os seus sentimentos sem fazer julgamentos.

A empatia deve ser desenvolvida e é um processo fundamental para conquistar a inteligência emocional. Isso porque ela aprimora nossos relacionamentos pessoais ou virtuais, sendo de grande importância no ambiente profissional e particular.

5# Sociabilidade

Para estabelecer boas conexões sociais, o equilíbrio entre empatia, autocontrole e autoconsciência é essencial.

Ao nos relacionarmos descobrimos pontos de vistas diferentes e novas possibilidades e oportunidades.

Quanto maior for o seu domínio da empatia, mais relações saudáveis você irá possuir. Sendo que em qualquer esfera da vida é importante saber interagir com as pessoas.

Desafios da inteligência emocional no mundo digital

Desenvolver a inteligência emocional no mundo digital possui alguns desafios. O primeiro deles é ter concentração e disciplina.

Tendo em vista que o ambiente virtual nos bombardeia de informações constantemente, exigindo que estejamos o tempo todo conectados para permanecer ‘atualizados’.

Outra dificuldade causada pelo mundo digital e que prejudica no alcance do gerenciamento das nossas emoções é o sedentarismo. Conforme um estudo aponta, pessoas sedentárias são mais ansiosas, o que prejudica a capacidade de percepção e clareza nos pensamentos.

Mais um dos desafios gerados pelo universo virtual no desenvolvimento da inteligência emocional é a falta de contato e relacionamento o mundo real.

Além disso, a falta de discernimento para definir quem acompanhar nas redes sociais prejudica o progresso da inteligência emocional. Já existem estudos que relacionam o uso inadequado das redes sociais com a depressão, por exemplo.

Portanto, para conquistar a inteligência emocional não deixe que o mundo digital tire você do foco de seus projetos e objetivos.

Por fim, podemos considerar que a inteligência emocional no mundo digital é fundamental para que possamos tirar vantagens da nossa capacidade de se relacionar, seja no âmbito profissional ou pessoal.

Se interessou pelo assunto? Conheça nosso curso de prateleira sobre a Inteligência Emocional na Era Digital.

outros artigos

Cursos de Prateleira

COPYRIGHT © 2020. TOT EDUCAÇÃO CORPORATIVA. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS.

POLÍTICA DE PRIVACIDADE