Compartilhe este post

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no twitter

Como você faz para identificar se os alunos estão realmente aprendendo o conteúdo das aulas? Muitas instituições usam os métodos de avaliação de aprendizagem.

Ela é essencial para avaliar se os alunos estão absorvendo e fixando as matérias ensinadas. Através desse recurso também é possível identificar as dificuldades de cada aluno e direcionar os esforços, potencializando assim os resultados.

Continue a leitura e saiba como aplicar essa avaliação no seu programa de ensino.

O que é avaliação de aprendizagem

Para entendermos esse conceito, primeiro precisamos saber o que significa “avaliação” e “aprendizagem” separadamente.

De acordo com o Dicio, a avaliação é: Ato de avaliar, de mensurar ou determinar o valor, o preço, a importância de alguma coisa.

Já o significado de aprendizagem é: Ação, processo, efeito ou consequência de aprender; aprendizado.

Sendo assim, podemos considerar que a avaliação de aprendizagem nada mais é que determinar o nível do aprendizado de cada aluno.

Seja na educação básica, superior ou em ambiente corporativo, essa análise deve ser realizada sempre que possível para avaliar a qualidade dos programas de ensino, cursos e treinamentos.

Além de a avaliação de aprendizagem ser fundamental para verificar o conhecimento do aluno, ela também é necessária para a instituição, pois investimento sem validação é apenas dinheiro jogado fora.

Mas como fazer isso?

É o que nós vamos te contar nos tópicos abaixo. Confira!

Decorar não é aprender

Não é ideal que os instrutores se baseiem apenas nos resultados de provas e testes aplicados. Isso porque conforme uma das frases mais famosas ditas pelos professores: “Decorar não é aprender”.

É importante ressaltar que muitas vezes uma nota não condiz de fato com o conhecimento do aluno. Existem diversas variáveis que podem comprometer um resultado genuíno, como a possibilidade de cópia de um outro colega ou até mesmo da internet, por exemplo.

Ainda, conforme aponta Santos, autor do livro Avaliação Educacional: um Olhar Reflexivo Sobre a sua Prática:

“A avaliação é muito mais complicada do que apenas atribuir notas a uma prova ou a um teste concluído, ela deve ser inserida no processo de aprendizagem do aluno.”

Para compreender os tipos de avaliações que devem ser implementadas, dizemos que podem ser:

1.                   Formativa: Visa verificar se tudo o que o professor sugere em relação ao conteúdo é alcançado ao longo do processo ensino-aprendizagem.

2.                   Cumulativa: Nesse tipo de avaliação, pode-se reter tudo o que foi aprendido em sala de aula, sendo que o professor pode acompanhar o aluno todos os dias e utilizá-lo quando necessário.

3.                   Diagnóstica: Pode ajudar o professor a descobrir o que foi aprendido ou não, de forma a resgatar o que o aluno não consegue aprender, redesenhando suas atividades para atender às suas necessidades e atingir os objetivos propostos.

4.                   Somativa: Visa atribuir ao aluno notas e conceitos para avaliar se eles podem ser promovidos ou não de uma turma para outra ou de uma disciplina para outra, normalmente ao longo de dois meses.

5.                   Autoavaliação: Pode ser feita tanto pelo aluno quanto pelo professor para estar ciente do que foi aprendido ou ensinado e, dessa forma, melhorar o processo de aprendizagem.

Na prática…

Existem diversas maneiras de aplicar no dia a dia educacional os tipos de avaliação de aprendizagem citados acima. Descubra abaixo algumas possibilidades:

·         Por meio de entrevistas com os alunos, demais professores de outras disciplinas, pais e familiares;

·         Exercícios e dinâmicas que permitam avaliar os relacionamentos e afinidades do aluno;

·         Consulta do histórico do aluno;

·         Através da observação do aluno no dia a dia;

·         Por meio de roda de conversas;

·         Avaliar se as atividades para fazer em casa estão sendo realizadas;

·         Por meio de provas e outros instrumentos convencionais. Aqui vale alertar que esses recursos não devem ser excluídos da avaliação de aprendizagem, no entanto, não devem ser utilizados de forma isolada como indicador de aprendizado;

·         Fazendo avaliações ao final de cada aula, módulo ou unidade;

·         Por meio de provas ou trabalhos finais como, por exemplo, o TCC (trabalho de conclusão de curso).

Avaliação de aprendizagem na educação corporativa

A avaliação de aprendizagem é uma das 4 etapas de verificação utilizadas para calcular o retorno dos programas de treinamento e desenvolvimento empresariais.

Os demais estágios envolvem comportamento, reação e resultados. No entanto, é por meio da análise do aprendizado que é possível avaliar se as medidas educacionais da empresa são eficazes e se os objetivos estão sendo alcançados.

Por meio dessa ferramenta de avaliação, o nível de aprendizagem de equipes e indivíduos pode ser estimado. O intuito é avaliar se os colaboradores têm absorvido o conteúdo do treinamento, com a expectativa de que eles possam colocar em prática tudo o que foi aprendido.

No treinamento contínuo, é possível verificar também o desenvolvimento de cada profissional e seu desempenho no decorrer das aulas.

Por fim, a avaliação de aprendizagem é capaz de gerar um relatório bastante relevante sobre a evolução da equipe, comprovando assim eficiência do treinamento e as mudanças que ocorreram após a sua aplicação.

Além disso, essas métricas podem ser usadas inclusive nas reuniões com a diretoria e investidores, a fim de comprovar resultados e avaliar o ROI (retorno sobre o investimento).

Confira a seguir os modelos avaliativos mais utilizados na educação corporativa:

Questionários de perguntas fechadas ou objetivas:

Esse é um dos instrumentos mais utilizados e tradicionais. O método consiste em elaborar uma quantidade de perguntas que possibilite uma porcentagem de acerto, obtendo assim um resultado facilmente quantificável.

As perguntas fechadas são perfeitas para testar o treinamento técnico ou metodológico que requer a lembrança de processos e detalhes sobre ele.

Alguns exemplos são:

·         Questões de múltipla escolha: Um parágrafo contendo a pergunta e as alternativas de resposta abaixo.

·         Dicotômica: Uma pergunta que possui somente duas opções de respostas, geralmente “verdadeiro ou falso”, “correto ou incorreto” e “sim e não”.

·         Perguntas de resposta única: Somente uma alternativa pode ser selecionada.

Questionários de perguntas abertas

As perguntas abertas são exploratórias porque permitem que os respondentes expressem suas opiniões sem ter que escolher opções predefinidas de respostas.

Esse tipo de questionário de avaliação de aprendizagem é mais difícil de analisar, no entanto, fornece resultados mais profundos.

As respostas devem ser feitas por escrito e pode ter ou não um limite de palavras ou espaço. Por exemplo: no máximo 1 página ou 30 linhas.

Recomenda-se que este tipo de avaliação seja usado principalmente para atividades que prevejam mudanças na motivação ou comportamento do colaborador.

Entrevistas semiestruturadas

Esse instrumento de avaliação de aprendizagem é ideal para quando a sensibilidade e a percepção do treinamento são mais importantes do que lembrar dos conceitos e teorias.

Sendo assim, esse tipo de abordagem pode ser interessante, especialmente quando o conteúdo do treinamento envolve muitos fundamentos e princípios.

Assim como no método anterior, as entrevistas são mais difíceis de qualificar. No entanto, são capazes de produzir feedbacks relevantes que não seriam possíveis obter de outra forma.

Dinâmicas

Esse é o método de avaliação mais abrangente. E apesar de exigir maior planejamento e esforço, é capaz de trazer excelentes resultados, já que promove para os colaboradores um ambiente bem próximo da sua realidade laboral.

Para isso podem ser utilizados diferentes recursos, inclusive a realidade virtual. À medida que o profissional vai concluindo as tarefas o avaliador consegue identificar o nível de conhecimento adquirido.

Considerações finais

É importante ressaltar que o objetivo da avaliação e aprendizagem não é julgar a capacidade de aprendizado dos funcionários, mas sim mensurar a eficácia do programa de treinamento corporativo.

Portanto, não é recomendado aplicar punições ou qualquer outro tipo de penalidade para os profissionais com rendimento abaixo da média.

É preciso entender que cada indivíduo possui maior ou menor facilidade com algumas metodologias de ensino e, por isso, pode ser necessário adaptar os conteúdos de forma a atender as demandas específicas de cada colaborador.

Apesar de parecer algo complexo, isso pode ser feito facilmente por meio de recursos especializados.

Sendo assim, se você deseja elaborar um treinamento personalizado de acordo com as necessidades da sua empresa e dos seus colaboradores, entre em contato com um dos nossos especialistas pelo chat agora mesmo e conheça a nossa consultoria em educação corporativa.

outros artigos

Cursos de Prateleira

COPYRIGHT © 2020. TOT EDUCAÇÃO CORPORATIVA. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS.

POLÍTICA DE PRIVACIDADE